janeiro 06, 2009

O AMOR NÃO CORRESPONDIDO

Neste espaço estamos falando o tempo todo sobre relacionamentos e suas dificuldades. Já falamos sobre a busca de um relacionamento também, mas eu percebi hoje que há uma situação extremamente cruel pela qual normalmente passamos, pelo menos uma vez ao longo da vida: o amor não correspondido.

Eu entendo que o término de um namoro, sobre o qual já falamos bastante, é algo nessa linha, já que um quer continuar e o outro, não. Mas já pararam para pensar no que é aquele frio no estômago e aquele nervosismo de início de namoro ocorrerem apenas unilateralmente?
Você olha para a pessoa com aquela sensação avassaladora de que precisa abraçá-la, beijá-la, tocá-la, enquanto ela na verdade está te vendo como uma 'companhia muito legal', 'uma amiga maneira'?

A impossibilidade de se dar vazão a sentimentos tão fortes, intensos e românticos é algo que realmente dói. Talvez mais do que a dor do término, pois pelo menos nesse caso pode-se apegar à história, ao curso cumprido, mesmo que terminado por escolha alheia à você.

O amor unilateral, porém, não tem, muitas vezes, sequer a chance de extravasar, de existir no mundo real, através de uma reciprocidade física ou mesmo emocional. Aquele olhar carinhoso retribuído, aquela pegada na mão inesperada, mas recíproca. O amor-só fica se deparando com uma parede, na esperança de que o sentimento surja no outro, mesmo que com atraso. Na expectativa de que o outro perceba que esta amizade tem algo de mais intenso, mais romântico, algo que deveria ser explorado pelos dois, juntos.

Nossa, só de pensar no que é ter essa sensação de se ama completamente sozinho, já me parte o coração. Durante certo tempo pensei se é realmente normal ou saudável se sentir assim. Quero dizer, se o outro não dá a mínima para a gente, não é muito masoquismo ou falta de maturidade emocional continuar adorando essa pessoa?

Mas acho que não. Pelo menos, não sempre. Há amizades verdadeiras em que apenas um dos dois sente atração física, por exemplo. A pessoa que não ama de volta não é necessariamente má ou cruel com o sentimento alheio. Ela pode simples e genuinamente não se sentir da mesma forma.

Bom, meu apoio vai a todos que passam ou passaram por isso de forma intensa. E que 2009 traga apenas oportunidades amorosas correspondidas para vocês!

Um comentário:

Anônimo disse...

Os conselhos são bons mais é muito dolorido amar e não ser amado, machuca de mais, acaba nos deixando a pergunta pq ele não pode me amar da mesma maneira que eu o amo. o que eu devo fazer pra que ele me ame tambem?