setembro 20, 2006

OS JOGOS QUE NÃO SABEMOS JOGAR

Toda mulher apaixonada já quis, uma vez ou outra, dominar a arte de fazer joguinhos mentais num relacionamento. Quem foi que nunca se esforçou ao máximo pra dar uma de “não estou nem aí para o que você fez comigo, apesar de ter sido uma sacanagem” e, na verdade, terminou a noite aos prantos esperando um pedido de desculpas e se perguntando “por que ele fez isso?”. Apesar de que quando chegamos à fase do choro o que sai é um “PORRR QUEEEEEEE, MEU DEUS? POR QUEEEEE ELE FAZ ISSO COMIIIIIIIGO? E POR QUE É QUE EU AGÜENTOOOOO?”.

Eu não consigo contar quantas vezes eu joguei limpo num relacionamento e depois me arrependi amargamente. Muito menos quantas vezes quis ser indiferente e acabei me expondo ainda mais. Mas enquanto isso acontece com a categoria das “eu preciso colocar tudo pra fora na hora em que sinto”, eu vejo outras mulheres que conseguem, numa boa, manipular sua própria raiva e desespero, para, conseqüentemente, manipularem sua cara metade. Já vi casais em que o cara nem tava fazendo nada de errado, mas a mulher conseguiu inserir uma sementinha de culpa na cabeça dele, só pra ter uma arma emocional no futuro. São mulheres que, quando contrariadas, conseguem esperar, friamente, para se vingarem de forma mais fria ainda.

Eu lembro de uma amiga me contar que o namorado dela desmarcou um programa com ela, em cima da hora, para sair com os amigos. Iam, inclusive, para uma boite. Eu, no exato segundo que ele me falasse isso, estaria gritando e chorando e perguntando “por quê?”. Mas ela, não. Aceitou “numa boa”. Soltou uma frase que só ela sabia que era cínica, do tipo, “claro, amor, é muito importante sairmos com os amigos”. E esperou até a semana seguinte, quando ele marcou um programa para os dois, e ela desmarcou em cima da hora porque ia – adivinha – sair só com a mulherada, pois “isso é importante num relacionamento”. Que inveja!

Outra amiga, certa vez, descobriu, através de suas espiãs – que, saibam, toda mulher tem espalhadas na cidade – que seu dito cujo estava numa farra louca, ao invés de dormindo em casa como havia afirmado. Ela fez o quê? Ligou para suas amigas, se arrumou com aquela roupa que grita “sou um sexo ambulante”, e foi para o mesmíssimo lugar onde o namorado estava. Chegando lá, o moleque sem fôlego, branco, quase tendo um acidente cárdio-vascular, ao ser pego no flagra, pergunta se ela está brava. Aliás, isso é bem típico de homem. Sabe que fez aquela merda, mas ainda sente necessidade de perguntar se você também considera aquilo uma merda. Minha resposta seria: “é claro, seu filho da piiiiiiiii, como você teve coragem de fazer isso comigo, seu mentiroso do ca-piiiiiiiii!”. A resposta dela: “imagina! Só estou me divertindo com as meninas!” e ignorou o cara para o resto da noite. Me pergunta quantas vezes o cara fez isso de novo?

Claro, pode ser apenas o medo de um derrame ou de um chifre vingativo, mas a verdade é que, quanto mais indiferentes conseguimos ser, parece que mais eles ficam intrigados e fiéis. Sei lá. Mas o lance é: até as mulheres que sabem jogar, sentem o desespero. Elas apenas conseguem segurá-lo para usar de outra forma mais tarde.

O problema é simples: só conseguimos ser frias, calculistas e indiferentes de verdade quando não gostamos tanto do cara. Nas vezes em que me apaixonei e me apeguei pra valer, não consegui fazer um joguinho sequer. Não sei se isso é bom ou ruim. Mas queria que os homens entendessem também que, às vezes, exageramos na reação, simplesmente porque nos importamos. E quanto menos nos importarmos, quanto menos reagirmos....bom, quanto menos amor existe.

4 comentários:

Anônimo disse...

So good you wrote again. :)
I also have played clean in a relationship.
I really loved once and I really gave my all and I also exposed all my feelings to that person.
Did he understand I loved him and valued me for that??

I have learnt now , good or bad, that regardless the pain or the anger we should try our hardest
not to show those intense feelings to our “loved man.”
Stupidly enough, they don’t think we love them so much because of that…..

I learned that we should expose our emotions in the more civilized
and educated way……as a lady but firm and direct. They really
care about it and like it….
Unless you really and purposely want to tell do so.

Haaard I know ….and it has taken me like two or more nights of
so much anger and tears before reaching that civilized type....
but now I try my hard for my man not to know those moments.
So far it has worked fine….

renata! disse...

não paree de escrever nunca. to adorando seus textos e me ajuda bastante.
parabééns (:

:*

Nina disse...

Só faltou dizer a fórmula para conseguir ser fria e calculista ao invés de quente e letrista, babe. Amei o texto! Bjs

*****LULUPETERS***** disse...

Hahaha se eu tivesse essa fórmula, eu tava rica!!
Pessoal, muitíssimo obrigada pelos comentários! Me anima pra continuar escrevendo!