outubro 27, 2005

ÀS VEZES

Às vezes só se quer deitar um pouco
E fechar os olhos um pouco
E dormir por um tempo, mas sem sonhar
Sonhos cansam, e seu fim, mais ainda
Às vezes só se quer morrer um pouco
E sumir um pouco
E flutuar um pouco sem sentir nada de ruim
Nem de bom, pois um não existe sem o outro
Às vezes só se quer um pouco de frio
E um pouco de folga
Às vezes só se quer silêncio
Apesar do amor pela música
Às vezes só se quer um consolo
Ou um colo
Às vezes só se quer não ser tão forte
Para poder ser fraco, às vezes
E para, às vezes, poder chorar
Poder doer, sem ninguém pertubar
Às vezes só se quer manter
Sem saber se deve ser mantido
Às vezes só se quer o direito de, às vezes, mudar
E pedir para que, às vezes, tudo de mal possa passar

Um comentário:

Druglazz disse...

Se não é dona Luisa Lane, ahn?! Hahahaha! E aí, gatona, descobri seu blog nos links do blog do Pierre e resolvi check it out. Excelente, a propósito! Muito bem escritos e verdadeiros os posts.

Ow, tu já pensou em trocar os comentários do blogger pelos do Haloscan? São mó legais, e acho que são mais convidativos pra galera.

Me identifiquei muito com esse post; como minha mãe fala em seus momentos de irritação, "às vezes eu queria sumir!". Tanta tecnologia e ainda nada de criogenia...

Bjo forte, cara!